O dia mais louco – 3a parte

Posted by in Trópico de Câncer

presentes1Os presentes e os presentes: Não demorou muito e eles começaram a chegar. Primeiro foi Claude e o marido, que já passou por tudo isso e talvez mais. Depois veio Giga e a maravilhosa Eve, simpáticos, bem-humorados sempre, com informações do trânsito. O Primo e a querida Roxane. Frida e a filha que já aproveita para me convidar para seu aniversário de 15 anos. Claro que logo chegaram outros como Caco, a esposa Angel e Sebastian, guri bom de Dama (o jogo, por enquanto) uma barbaridade! As tias – irmãs de Geisel – também compareceram, uma delas, Adel, fazia aniversário no mesmo dia. Junto a prima Karen e Edson. Aí apareceu o Costello, a tia de Livramento que veio especialmente para a festa com quilos e mais quilos de lingüiça local para incrementar o buffet! As irmãs, as sobrinhas, os cunhados, maravilhosos, que belos amigos, sem falar na galera da infância que veio de longe, inclusive de Florianópolis, só pra curtir comigo. Minha afilhada, a sua filha – facho de luz e beleza! Não vou listar todos, óbvio, destaquei alguns a esmo, a emoção era bonita, um reencontro de paz, amor, cerveja, salada, carne e forró!

Antes do já descrito almoço, muitos aperitivaram com refri, cerveja, lingüiça, coraçãozinho, enfim, além da fantástica caipirinha feita pela Zele. Eu mesmo fui ludibriado pelo açúcar e pelo sabor presentes2espetacular. Voltei para a cerveja logo que a primeira tonturinha veio. Afinal tinha toda a tarde pela frente. Preocupada com a qualidade, a mana provou todas antes de servir. E logo seria uma das estrelas da festa. Mais alegria que ela ninguém tinha, comprovando que – no fundo no fundo – é a pessoa mais bonita da nossa família!

Vale destacar alguns dos presentes que recebi, porque realmente foram fantásticos e inusitados. Um kit churrasco disposto numa maleta com faca, garfão, tábua, tempero e avental, por exemplo, dado por quem leu o blog e lembrou do sufoquinho que eu, Geisel, Clovinho e Pluto passamos em Tarumã. Um disco sensacional e raro do Joaquim Sabina, empacotado numa enorme caixa parecida com aquelas que se guardavam cartolas. Mas ali dentro não tinha apenas o CD. O cidadão Marlon Asseff trouxe também dois exemplares da última pesca de tainha da maior ilha catarinense! Pode? Zeda e Polly me emocionaram com uma caixa, primeira das obras de marchetaria confeccionada pelo JJ. Eu sei o tamanho do carinho que ele dedicou àquela peça. Tata e eu ficamos encantados também com a cesta com cachaça, amendoim, bala de leite, cuia, presentes3bomba e erva, tudo suportado, o que descobrimos só no dia seguinte, por uma chapa de rapadura m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-a e enorme. Ainda tem aqui em casa para quem quiser provar. Mas tem que vir logo! Enfim, presentes tão malucos quanto a festa e o seu anfitrião.