Novos ares

Posted by in Trópico de Câncer

Depois da primeira noite e um passeio, dois dias depois, em busca de um restaurante para almoçar, Tata comenta: “Parece que estamos viajando…” Pois foi a síntese mais perfeita da última semana vivida intensamente pela dupla aqui. Sim, amigos e amigas, deixamos o Bom Fim, que – por mais legal que fosse – não era um bom nome de bairro para quem tem uma doença como a minha, correto?

Não entendeu?

Ora, estou comunicando que desde o dia 18 abril somos os mais novos habitantes do delicado, simpático e transparente Cristal. Que vista! Posso ver o Guaíba, o morro Santa Teresa, o morro da Pamecord, muito verde e céu azul. Um lugar abençoado, sem dúvida. Vá lá que ainda estejamos um tanto acampados, que os quadros continuem encostados num canto mas, gente… finalmente…. tenho minha churrasqueira! Não sou mais um santanense desterrado! hshshshshs

Já estreamos com um churrasquinho para o cariucho Horacius e nosso amigo montevideano Pedro Matchuca. O primeiro de passagem, pois ainda teria 400 Km pela frente para abraçar o pai em Rosário. Os dois, muito carinhosos, aprovaram a carne e o vinho. Tomei uma taça, com muito prazer. Aguarde por um convite. Todo final de semana convidaremos amigos para vir aqui e curtir o espaço conosco. Queríamos um lugar assim exatamente para isso: conviver com os amigos!

Ah, a segunda quimio passou sem grandes alardes. Algumas dores pelo corpo, feridinhas nos lábios, duas noites mal dormidas e só. A radioterapia avança firmemente. O ciclo coxa-femural termina na semana que vem. O da lombar ainda concentra cura por pelo menos duas semanas, é certo. O sofrimento está na constipação, o estado deplorável do ânus e a queimação da virilha, que exigiu uma paralisação da seqüência Coxa-Femural por quatro dias. A pele caiu, ficou em carne-viva, como se diz popularmente, embora já esteja em franca recuperação.