Gilnei Quintana Marques

Cansaço

Posted by in Trópico de Câncer

Eu e Tata estamos cansados. Não existe outra resposta para explicar as sensações que temos. Eu tô cansado de estar sempre doente de alguma coisinha, quando não é um coisão mesmo. Os meus dias se arrastam em meio a compromissos médicos enquanto Tata, além de me acompanhar, em todos os aspectos possíveis, ainda trabalha num ambiente pesadíssimo como a Febem. Tenho dó, porque não é do tipo que faz as coisas pela metade ou com irresponsabilidade. Ela assume, briosa, peito cheio de ar, todos os compromissos da agenda. O que…read more

0

Cabo Lúcio

Posted by in Trópico de Câncer

Os anos passaram e Nely foi imergindo no cotidiano. Todo dia acompanhava Mãe Velha para lavar roupa no arroio. Pegava uma roupa pequena e ficava esfregando, imitando. Também a acompanhava na entrega da roupa já passada em fardos brancos sobre a cabeça. Uma das casas que freqüentavam era a do ator Paulo José. Nely brincava com ele, enquanto esperava Mãe Velha, comendo bolo, que de vez em quando serviam. Mãe Velha não gostava nada disso. Na época, Mãe Velha sofreu muito com o negócio da tuberculose, que atacou suas irmãs….read more

0

Medo

Posted by in Trópico de Câncer

Nely não lidou nada bem com a novidade. Uma sensação de solidão apertou o peito. Maria agora seria o que? Tia, Tia Maria? Madastra? Ela era minha mãe, agora o que será? Tanta dúvida e tristeza a fez sentir pena de si pela primeira vez. Difícil perceber o bem que a vida havia lhe reservado depois de uma revelação tão forte. E a mãe verdadeira, uma prostituta? Não, não… Por que me foi dada a vida se teria passar por tudo isso? Assim, sofrendo, Nely correu pelos campos, como se…read more

0

A foto…

Posted by in Trópico de Câncer

Nely cresceu linda e forte como toda criança daquela época. Corria livre e alegre pelos campos, brincava com coisas simples, a maoiria feitas a mão pelos tios, pela avó e pela mãe Maria. Pião, cavalinhos de osso, deitar na grama, respirar fundo e olhar para o céu, vendo desenhos imaginários nas núvens. Nem mesmo os dias de chuva eram tristes. Maria dizia que as gotas que caiam nas poças de água eram bailarinas dançando com suas lindas saias rodadas. Ela fechava os olhos e imaginava, imaginava… O tempo passou e…read more

0

Se fue

Posted by in Trópico de Câncer

Mi madre se fue hoy a las 12h55. Cinco minutos antes del aviso oficial mi hermana Gis la vio en la puerta del centro de tratamiento intensivo y ella le dice: – Ahora estoy bien… No tengo mas dolor. Estamos todos muy tristes pero bien. La historia abajo cuento hasta el final quando todo esto se termine. Gracias a todos. Enrico BLOGGER Trópico de Câncer Comentários do post 38377431 Faz muito tempo que eu nao venho aqui… Infelizente vovó se foi, mas, nao vamos ser egoistas…ela agora, nao sente mais…read more

0

Mamma

Posted by in Trópico de Câncer

Foi numa noite quente. Depois de beber quase um litro de cachaça e suar como um porco nos braços de Sirlei que Tirso ouviu pela primeira vez o choro do nenê. Perguntou a ela de quem era, mas teve como resposta aquele tipo de silêncio que só as putas são capazes de fazer. Não deu bola e resolveu levantar. Vestiu seus trapos gaudérios e saiu pelas ruas de Cacequi, despertando a ira dos cuscos mais zelosos. Dois dias depois, entretanto, ao ouvir novamente o choro da criança, não agüentou: –…read more

0

Gala. Garbo. Galante. Garbosa

Posted by in Trópico de Câncer

Que noite! 18h. Tudo inicia com uma francesa – brut, e canapés agridoces. Ritinha foi a primeira a chegar, uma elegância só. Mimi e Eva a seguir. Acompanhada por um anjinho com gosto de chocolate, veio Claude. Minha mana Gis já estava conosco desde às 16h. Pouco depois chegou a cunhada e nossa querida amiga Tati, a rainha da bossa nova. Tata era um luxo só. Quantas recordações, quanto afeto! Por volta das 22h todos haviam partido. Na cachola pensamentos positivos, no peito – corpo afora, sensações de amor e…read more

0

Merecimento

Posted by in Trópico de Câncer

Sei lá, entende? As coisas estão ficando complexas. De minha parte, dores, morfina, madrugadas insones. Da parte da minha Mamma querida, desfibrilador, UTI, perspectivas? Hum… A verdade é que todas as rotinas são abalrroadas por fatalidades físicas. O psicológico até que vai bem, mas é claro que é muito difícil mesmo assim. Vivi, por exemplo, a suspeita de uma tuberculose. A pneumonia venci com calma e sem efeitos colaterais. Mas vamos ao que interessa. As notícias boas! Chegou a hora e a vez de finalmente receber aqui Claude, Mimi e…read more

0

Chegou

Posted by in Trópico de Câncer

Tenho uma amiga que comprou um carro hoje. Ela vem aqui pra gente dar uma volta. Quero ver de perto, estou feliz por ela. Ela quer me mostrar o carro. Está feliz. Daí vamos rodar, rodar até uma lojinha no Centro buscar meu óculos que deixei para conserto. Pois é, quebrei. Enfim, estou enrolando aqui enquanto ela não chega. Será que estou abusando ao sugerir que o passeio tenha a direção do meu interesse? Ah, sim, a pneumonia está indo embora. Segundo Tata ela ainda está aí. Por isso continuo…read more

0

Borracharia

Posted by in Trópico de Câncer

Bem, nem sempre tudo vai mal. A Ritinha, minha querida amiga dos tempos selvagens na empresa de previdencia privada que trabalhei durante oito anos na área de Comunicação, agora assina coluna no site da minha empresa. Ela está dando dicas para empresários escreverem melhor, já que na vida digital este fundamento é fundamental. Ela está super contente com a flor do lácio (*) que estamos regando. Eu também. Nem mesmo a borracharia onde estou meio estacionado por causa de uma pneumonia foi capaz de me abater. Quer dizer, mais ou…read more

0