As filhas da mãe

Posted by in Trópico de Câncer

As Filhas da Mãe deram um show no domingo em que as estrelas era suas mamães. Que maldade carinhosa, não? Eu, q nao tinha nada com isso baixei a cabeça. Baixei a cabeça para me deliciar com aquele showzinho particular que todos nós curtimos. Baixei também para fechar os olhos, fechar os olhos e sentir todinhos, todinhos os sabores que ali estavam disponíveis, disponíveis para
os meus sentidos, todos os meus sentidos, minhas glândulas e deixa pra lá o sei lá mais o que q possa ter sido aquilo tudo. E também para comer, né. Éééééé, porque eu também comi, né.

Afinal também sou filho da mãe, da vovó, vovó que elas, sim, porque elas, sem dúvida reverenciaram, é reverenciaram, sim, reverenciaram aquela magnifica cozinheira, aquela que aprendeu
a cozinhar com a cunhada, a cunhada que lhe segredou os segredos, os segredos que ela aperfeiçoou tão magnificamente ao longo dos anos. É sim, eu sei que a gente não se dá conta, mas é a mais
pura… a mais pura das puras verdades: o tempo passa. Só que ele passa, nos leva, mas nos inspira, inspira, inspira tanto que vira inspiração, o que aquelas duas filhas da mãe tiveram de sobra.

Tanto que não sobrou nada! Nada! Nem as sobremesas, ah, sim! Sim, porque eram uma, duas, três, três sobremesas. É. Eram três. Três filhas da mãe, filhas da mãe Zele e filha da mãe zeda. Foi bom demais, nossa se foi. Foi bom demais lembrar de tudo isso agora aqui para mim. Ops, para vcs, é, para vcs.

filhas

BLOGGER

Trópico de Câncer
Comentários do post 38579989

oi, mano! que saudade de todos e principalmente das minhas princesas. Foi ótimo teres colocado a foto, deu pra matar a saudade. Realmente esse dia maravilhoso. Elas conseguiram com fazer belos e gostosos quitutes, as risadas na cozinha, a preparação dos pratos nos dias anteriores, as conversas baixas ao telefone para esconder o cardápio, compensar, em parte, a falta da mãe. A mesa naquele dia estava colorida, todos rimos e brindamos, mas o lugar dela ficou vazio, seu sorriso e suas críticas a comida sem sal. Um vazio muito grande, despercebido para muitos. É uma saudade muito grande. Abraços. chego no dia 14/06. Farei uma coisa diferente, assistir o jogo do Brasil, em um bar, quem diria?

zele | 10-06-2006 11:40:58

Cozinheiro, no domingo lembramos desse almoço de inverno. Lembramos também de vocês e da orgia gastronomica da ocasião!!!! Estamos esperando o frio chegar para repetir o feito. Aguarde!

Zelda | 17-05-2006 14:21:43

Pois que bela foto!!Belas mulheres, alegres, um balcão cheio de coisas boas!!!Parece uma lasanha??Canelones??Neste mesmo balcão me servi de uma deliciosa Olla Podrida, num domingo frio de inverno!!!Maravilha!!

Cozinheiro | 16-05-2006 22:34:44

pois eu fico aqui reclamando a ausência de notícias… li ontem o blog e fiquei triste, sem palavras. Agora, vejam só; todo o poder à nova geração da família. Coisa linda!!!! Parabéns, meninas. Enrico, A vida insiste com a presença do belo a ser degustado, mesmo nos momentos mais difíceis, percebes? Beijo. Claude.

Claude | 16-05-2006 15:54:18

lindo, bárbaro. bela foto, texto, etc…grande abraço hermano!!!!!!

marlon | Homepage | 16-05-2006 08:48:14